Governo corta quase 95% de orçamento de proteção à mulher

Ao orçamento regular, somam-se as emendas
O esvaziamento do orçamento para políticas de proteção à mulher faz parte da política neoliberal de acabar com as políticas sociais e com as instituições que as implementam.
Por: Redação, Diário Causa Operária15/11/2020 00:00 | Edição nº 6195 – domingo – 15/11/2020
Domingo | atualiza 15 Novembro de 2020 | 12h33
Nazaré Paulista – SP – Por Editor: Bp Sérgio Oliveira
Manual de Enfrentamento à Violência contra a Pessoa Idosa.
DIVULGAÇÃO

_________________________________________________________________

EU, NÃO TENHO VERGONHA DO BRASIL, TENHO VERGONHA DOS QUE ENVERNHOAM O BRASIL
 “Portal de Notícias do Atitude News –, cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Todo o processo de coleta de dados cujo resultado culmina nas informações a seguir é realizado automaticamente, através de fontes públicas pela Lei de Acesso à Informação (Lei Nº 12.527/2011). Portanto, Portal de Notícias do Atitude News –, não substitui as fontes originárias da informação, não garante a veracidade dos dados nem que eles estejam atualizados. O sistema pode mesclar homônimos (pessoas do mesmo nome). Confira nosso  Descrição Legal.” [O jornalismo profissional precisa do seu suporte].  LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. … 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. [O jornalismo profissional precisa do seu suporte].
____________________________________________________________________________________

Os programas de proteção às mulheres no governo ilegítimo de Jair Bolsonaro, tiveram corte de quase 95% do orçamento previsto para ano de 2020, seguindo a tendência de aniquilamento das políticas públicas voltadas para as mulheres, aprofundado em 2019, com a total inação da ministra “antimulher” Damares Alves, do Ministério da Mulheres, da Família e dos Direitos Humanos.

De um total de R$ 167,6 milhões previstos a partir do orçamento regular do Ministério da Mulheres, da Família e dos Direitos Humanos e de emendas à pasta, as autoridades realizaram de fato gastos de R$ 9,2 milhões, ou seja, apenas 5,4% do orçamento previsto para o ano de 2020.

As políticas de proteção às mulheres coordenadas por essa pasta “contam” com orçamento total de R$ 123,8 milhões para 2020. Deste total, R$ 74 milhões foram empenhados e R$ 7,1 milhões, ainda seriam pagos. Os valores empenhados se referem aos recursos já comprometidos, mas os pagamentos apenas são realizados depois que os serviços são entregues, segundo afirmação demagógica do ministério. Os recursos empenhados não representam nem 60% do total previsto para serem aplicados para as políticas de proteção às mulheres, e provavelmente nem serão utilizados.

Ao orçamento regular, somam-se as emendas que permitiram que a Secretaria Nacional de Políticas para a Mulheres contasse com outros R$ 43,8 milhões. Desse total, R$ 33,1 milhões foram empenhados, mas apenas R$ 2,1 milhões foram de fato pagos. O ministério afirma, hipocritamente, “que o atual nível de execução do orçamento é satisfatório e, nas próximas semanas, alcançará alto patamar, como no ano de 2019”. Quando diversas denúncias mostraram, que a pasta não gostou  nem 4% do seu orçamento, em 2019. Por exemplo, a Casa da Mulher Brasileira, principal instituição que agrupava as políticas de proteção à mulher, recebeu apenas 11 mil reais dos 41 milhões empenhados para o programa, em 2019.

A desculpa apresentada por Damares é a de que pandemia do Covid-19 prejudicou prestação de serviços. Mas não seria justamente por conta disso que a pasta deveria ampliar suas ações de proteção à mulher? A prioridade não seriam as ações voltadas para o enfrentamento da pandemia, que atinge de forma desigual as mulheres? Não para esses fascistas, que pioram a situação das mulheres oprimidas ou violentadas, tanto pela sua inação, visto que os programas de proteção à mulher só existem de fachada. Quanto pelas diversas violências contra as mulheres, seja por meio das violações dos direitos adquiridos, como por exemplo no caso do aborto legal, como também pelos cortes no orçamento, retrocessos legais e fundamentalismo religioso. Essa é a agenda em curso do ministério da Damares.

O esvaziamento do orçamento para políticas públicas neste campo, faz parte da política neoliberal de acabar, de forma disfarçada, com as políticas sociais e com as instituições que as implementam. De fato, o Ministério da Mulheres, da Família e dos Direitos Humanos é um ministério criado para atuar contra os direitos sociais das mulheres, das crianças e jovens, dos negros, idosos, deficientes e todos grupos oprimidos e vulnerabilizados.

1 – O CAMINHO DA INFORMAÇÃOO sistema não entende e nem entenderá eles perseguem, difamam, improvisam armadilhas;  fazem crescer, à lubricidade na noturnidade, aumenta o  investimento em prol do armistício lamaçal, e à “ação de se tornar poderoso, e passar a possuir poder de autoridade, e domínio a EXEMPLO. Exemplo em processo de empoderamento sobre classes desfavorecidascom socialismo Insidioso, financiador do terror;
2 – Arma insídias; prepara ciladas; enganador, traiçoeiro, pérfido, (figuradamente) parece benigno, mas pode ser ou tornar-se grave e perigoso (diz-se de mal, enfermidade etc.). “a febre tifoide é uma doença i.”
3 – ”O dicionário vai além, oferecendo   uma extensão deste conceito caracterizando-o como gíria: “Passar a ter domínio sobre a sua própria vida; ser capaz de   tomar decisões em nome do insuportável … 
4 – Quanto à Democracia: fortifica convicções, com Deus acima de tudo, e o povo ao seu lado Patriota! vença as diferenças! Não Há Justiça Sem Deus!  (grifo nosso!
Manual de Enfrentamento à Violência contra a Pessoa Idosa.

NÃO HÁ JUSTIÇA SEM DEUS

Please follow and like us:
Eu, Sérgio José de Oliveira, Bispo Evangélico, Bel. em Teologia, Jornalista, Ex-Acadêmico de Direito, Baiano da Cidade de Pedro Alexandre - Brasil, maior de 71 anos de idade, nasc. em 04/12/1948

Deixe uma resposta