PF prende prefeito e investiga 22 dos 23 vereadores de Mauá por corrupção na merenda

PF prende prefeito e investiga 22 dos 23 vereadores de Mauá por corrupção na merenda

21 Abr 2019  sergio

Bem-vindo (a) ao Portal Atitude News – nosso portal de notícias

  • O Código Penal, em seu artigo 317, define
  •  o crime de corrupção passiva como o de “solicitar ou receber, para si ou para
  •  outros, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la,
  •  mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem.
  • Arquivo Atitude News
  • De Combate à Corrupção e Corruptor!
  • NO CALOR DA AUTENTICIDADE:
  • Portal Atitude News – portal de notícias:
  • Postado por Jornalista, Editor Bp. Sérgio Oliveira
  • A Corrupção é a mola propulsora do “GENOCÍDIO” só não ver quem participa.
  • Segunda-feira 17 fev 2020 – às 23h39.
  • Arquivo Portal Atitude…

DIVULGAÇÃO

NÃO HÁ JUSTIÇA SEM DEUS

  • Apenas um parlamentar da cidade da Grande São Paulo não
  • foi alvo de busca e apreensão nesta quinta-feira
  • Estas ainda não aconteceu em Franco da Rocha  e (CALDEIRÃO)

Tiago Dantas

13/12/2018 – 09:18 / Atualizado em 13/12/2018 – 16:13

SÃO PAULO – A Polícia Federal (PF ) prendeu nesta quinta-feira o prefeito de Mauá , Átila Jacomussi (PSB), acusado de receber propina de nove empresas em contratos destinados ao fornecimento de merenda , uniformes e material escolar para os estudantes da cidade da Grande São Paulo. Como parte da operação, policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão nos gabinetes de 22 dos 23 vereadores do município.

Nos últimos meses, investigadores descobriram planilhas que indicariam que a propina era paga a parlamentares de Avante, DC, DEM, PDT, PEN, PPS, PR, PRB, PROS, PRP, PSB, PSDB, PTB e SD. Embora a PF tenha pedido o afastamento dos vereadores, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) concordou apenas com os mandados de busca, já que a retirada dos políticos de seus cargos poderia acarretar uma “completa situação de ingovernabilidade do município”.

foi citado na investigação. Em maio, ele foi o único parlamentar da cidade a votar a favor do impeachment do prefeito, que havia passado quase um mês preso por ter sido alvo da primeira fase da Operação Prato Feito, que investigava desvios de dinheiro da merenda em três estados. Na ocasião, policiais federais encontraram R$ 85 mil em dinheiro vivo na casa de Jacomussi.

A operação desta quinta-feira é um desdobramento da investigação que começou em maio. Investigadores encontraram documentos na casa do ex-secretário de Governo e Transportes de Mauá João Eduardo Gaspar, que indicavam que os políticos de Mauá distribuíam de 10% a 20% do valor dos contratos de nove empresas com a prefeitura. O prefeito receberia uma mesada.

– O dinheiro, esses 20%, entrava no caixa do esquema e depois era distribuído aos vereadores, aos servidores. Tudo indica que era um mensalinho. Mas o dinheiro que entrava era um percentual dos contratos que as empresas tinham com a prefeitura. Depois que esse dinheiro entrava, ele era distribuído – disse o delegado regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado da PF, Marcelo Ivo de Carvalho.

Em junho, Jacomussi e Gaspar foram soltos após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes . Os dois voltaram a ser presos nesta quinta-feira.

– Após ele ser solto, as investigações apontam que continuaram os direcionamentos de editais e as irregularidades nos contratos. O prefeito continuava influenciando nas contratações irregulares, disse o delegado.

O criminalista Daniel Bialski, que defende Jacomussi, afirmou o pedido de prisão é “arbitrário”, “requenta” fatos que já eram conhecidos e usa os mesmo argumentos da prisão anterior. A defesa prometeu entrar com reclamação no STF, que já derrubou esses argumentos na decisão de Gilmar.

“Não é admissível dar uma nova roupagem para fatos pretéritos e conhecidos para se renovar o pedido de prisão. A medida além de ilegal, não possui lastro empírico e nem idônea motivação. Causa maior espanto quando verifica-se que o próprio Ministério Público Federal contestou a competência jurisdicional da Justiça Federal examinar a causa. Infelizmente, este é um triste sintoma do momento policialesco em que vivemos”, disse o advogado Bialski, em nota.

  • Portal Atitude News – portal de notícias:
  • Postado por Jornalista, Editor Bp. Sérgio Oliveira
  • A Corrupção é a mola propulsora do “GENOCÍDIO” só não ver quem participa.
  • Segunda-feira 17 fev 2020 – às 23h39.
  • Arquivo Portal Atitude…

Share this post

Deixe uma resposta