Notícias importantes

Yang Wanmig e o ministro Marcelo Queiroga se encontraram virtualmente para tratar do combate à pandemia no país
Reuters - Brasil BRASIL | por Reuters – Brasil
05/04/2021 – 17H58 (ATUALIZADO EM 05/04/2021 – 18H06
– r7
Portal de Notícias do Atitude News
Ter, | atualiza  6 de ago 2021 | 16h58- Nazaré Paulista-SP – Por Editor: Bp Sérgio Oliveira
Brasil passando a limpo

_____________________________________________

“Portal de Notícias do Atitude News –, cria, edita ou altera o conteúdo exibido. Todo o processo de coleta de dados cujo resultado culmina nas informações a seguir é realizado automaticamente, através de fontes públicas pela Lei de Acesso à Informação (Lei Nº 12.527/2011). Portanto, Portal de Notícias do Atitude News –, não substitui as fontes originárias da informação, não garante a veracidade dos dados nem que eles estejam atualizados. O sistema pode mesclar homônimos (pessoas do mesmo nome). Confira nosso  Descrição Legal.” [O jornalismo profissional precisa do seu suporte].  LEI Nº 12.527, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. … 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. [O jornalismo profissional precisa do seu suporte].

Bem-vindo (a), ao Portal de Notícias do Atitude News.

DIVULGAÇÃO

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, se reuniu virtualmente, nesta segunda (5), com o ministro da Saúde brasileiro, Marcelo Queiroga, e se comprometeu com o suprimento de insumos para a produção de vacinas contra Covid-19 no Brasil.

“Hoje, tive uma videoconferência com Min. @mqueiroga2, do @minsaude, conversamos sobre o combate à pandemia com união e sobretudo, a parceria de vacinas. O nosso compromisso é continuar o suprimento dos insumos ao Brasil para garantir a sua produção de vacinas conforme o cronograma”, disse o embaixador em sua conta no Twitter.

LEIA TAMBÉM

O governo brasileiro tenta acelerar a compra e produção de vacinas contra Covid-19 no pior momento da pandemia no país. A China é um dos principais parceiros comerciais do Brasil, inclusive em relação a ações da pandemia.

No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro chegou a colocar em dúvida a eficácia da CoronaVac, da chinesa Sinovac, vacina que hoje representa cerca de 80% das doses aplicadas no Brasil no enfrentamento à pandemia.

Copyright © Thomson Reuters.

NÃO HÁ JUSTIÇA SEM DEUS